Demodê

 

(Grupo de pesquisa sobre DEMOcracia e DEsigualdades)

Coordenadores:

Luis Felipe Miguel

Thiago Aparecido Trindade

 

Apresentação

O Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades – Demodê – reúne pesquisadoras(es) e estudantes que se dedicam a investigar as implicações da convivência entre regras democráticas de gestão da organização política e profundas desigualdades sociais. Criado em 2001 na Universidade de Brasília, onde opera no âmbito do Instituto de Ciência Política (IPOL), o grupo se esforça por integrar contribuições de múltiplos âmbitos das ciências sociais críticas, focando simultaneamente em relações de dominação estruturadas por classe, raça e gênero, em ações que ocorrem dentro e fora da institucionalidade política vigente, em pesquisas teóricas e empíricas.

​As linhas de pesquisa do grupo – "Democracia e capitalismo", "Democracia e desigualdades racial", "Democracia e gênero", "Democracia e ativismo político", "Representação política e desigualdades" e "Democracia e controle da informação" – refletem esta agenda ampla, orientada para uma reflexão abrangente sobre as possibilidades e os obstáculos ao aprofundamento da democracia e sobre sua relação com a construção de uma sociedade menos injusta. No contexto do retrocesso político instaurado no Brasil com o golpe de 2016, as pesquisas do Demodê ganham sentido de urgência ainda maior. Entendendo que a universidade e a ciência não formam um mundo à parte, o grupo enfatiza o diálogo com a sociedade civil, movimentos sociais, militantes políticos e ativistas.​

 

Linhas de pesquisa

Democracia e ativismo político - Investigações sobre movimentos sociais, espaços de participação popular, formas de ativismo político e protesto social.

Integrantes: Thiago Aparecido Trindade.

Democracia e capitalismo - Investigações teóricas e empíricas sobre os limites à democracia política impostos pelo Estado capitalista e sobre a relação entre a classe social e participação política.

Integrantes: Luis Felipe Miguel, Thiago Aparecido Trindade.

Democracia e controle da informação - Pesquisas sobre o papel da mídia na política, sobre a relação entre comunicação e mercado, sobre os processos sociais de produção das preferências.

Integrantes: Luis Felipe Miguel, Denise Mantovani, Thiago Aparecido Trindade.

Democracia e gênero - Pesquisas sobre o feminismo político, os efeitos sociais da separação público/privado e a reprodução das desigualdades de gênero nas arenas políticas.

Integrantes: Denise Mantovani, Luis Felipe Miguel, Vivane Gonçalves.

Representação política e desigualdades - Exame da relação entre a representação política e a democracia e dos mecanismos representativos como reprodutores e indutores de desigualdade política.

Integrantes: Luis Felipe Miguel.

 

Site:https://www.demodeunb.com/

 

 

Flora Tristan

 

Responsável: Carlos Machado

Pesquisadores integrantes: 

Flávia Biroli

Danusa Marques

 

Objeto e linhas do grupo de pesquisa

 

O Núcleo de Pesquisa Flora Tristán: representações, conflitos e direitos é formado por pesquisadoras interessadas no desenvolvimento de pesquisas sobre os limites das dinâmicas institucionais e os desafios políticos para lidar com desigualdades estruturais das sociedades contemporâneas. Flora Tristán inicia suas atividades em 2019, a partir da atuação de pesquisadoras do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, com ênfase em investigações sobre assimetrias sociais derivadas de gênero, raça e da estrutura do capitalismo contemporâneo. O Núcleo tem por objetivo, para além do desenvolvimento de projetos de pesquisa, a formação de quadros qualificados para a investigação social crítica, a partir de perspectivas localizadas na periferia da produção do conhecimento acadêmico.

Essa dinâmica está organizada a partir de cinco linhas de pesquisa: “Abordagens Críticas sobre Representação e Instituições Políticas”, “Antirracismo e Luta Política por Representações”, “Democracia e Paridade no Brasil”, “Democracia, Cuidado e Neoliberalismo” e “Disputa por Direitos e Conservadorismos”.

Website:  Em desenvolvimento

redes sociais: Em desenvolvimento

 

LAPCIPP

(LAboratório de Pesquisa sobre Comportamento Instituições e Políticas Públicas)

Professores responsáveis: Adrián Albala, André Borges, Arnaldo Mauerberg Jr., Denilson Bandeira, Frederico Bertholini e Lúcio Rennó

LAPCIPP é uma rede de pesquisa capitaneada por professores do Programa de Pós‐Graduação em Ciência Política da Universidade de Brasília. A equipe do laboratório também conta com docentes e pesquisadores de outras pós‐graduações da UnB, além de participantes de instituições parceiras como o IPEA e Câmara dos Deputados.

Atualmente, o LAPCIPP conta com dois grupos de pesquisa nas áreas de instituições e política comparada (GEPOC)  e comportamento e opinião pública (COMPOP).

Website: lapcipp.org

Redes Sociais: Twitter: @lapcipp / Facebook: facebook.com/lapcipp / Instagram: @lapcipp

 

 

RESOCIE

(Repensando as Relações entre Sociedade e Estado)

Responsáveis: Professoras Debora Rezende, Rebecca Abers e Marisa von Bülow

 

Além das três coordenadoras, um grupo grande de outros professores, estudantes de mestrado, doutorado e graduação integram o grupo.

A lista completa encontra-se na página eletrônica do grupo: www.resocie.org

Objeto e linhas do grupo de pesquisa: O grupo estuda as reconfigurações nas relações entre sociedade e Estado, a partir da intersecção entre teorias democráticas, teorias de movimentos sociais e teorias de representação. 

O Resocie está organizado em três linhas de pesquisa:

  1. Participação e Representação política: teorias e práticas - Esta linha de pesquisa abarca projetos de pesquisa que tratam da participação da sociedade em instituições participativas e para além delas; dos processos e instituições de deliberação, tanto de um ponto de vista micro quanto sistêmico, e da representação política nas arenas eleitorais e não-eleitorais. No campo da representação política, as pesquisas envolvem uma retomada teórica dos diferentes sentidos do conceito, ao mesmo tempo que buscam repensar dimensões clássicas, como accountability e responsividade.
  2. Ativismo institucional e instituições políticas - As análises desenvolvidas no âmbito desta linha de pesquisa investigam a relação entre movimentos sociais e burocracias, com foco no papel de diversos tipos de atores na construção de instituições e políticas públicas. Chamamos a atenção para as especificidades e variedades de ativismo – entendido como ação proativa em defesa de causas contenciosas – dos atores estatais. 
  3. Mobilização e práticas digitais: entre redes, ruas e gabinetes - A pergunta de pesquisa geral que orienta os trabalhos desta linha é: quais são os impactos das novas tecnologias digitais na política? Reúnem-se ao redor desta linha de pesquisa projetos que vão desde o tema da governança da Internet até os impactos das novas tecnologias nas formas de organização de movimentos sociais, nos repertórios de ação coletiva e em processos eleitorais. 

 

website: www.resocie.org

Redes sociais: Facebook: facebook.com/Resocie / Instagram: resocie.unb